Cultura Organizacional e Cultura Nacional: em que é que diferem?


Embora as diferenças entre as culturas nacionais sejam mais evidentes nos valores, as diferenças entre as organizações num mesmo país podem ser mais claramente observadas através das práticas das organizações Uma das várias razões que estão na base da confusão é a relação entre a cultura nacional e a cultura organizacional. A definição de cultura proposta por Hofstede - a programação da mente humana pela qual um grupo de pessoas se distingue de outro grupo- descreve a cultura em geral, podendo, na verdade, ser aplicada a ambos os fenómenos. Contudo, é evidente que a cultura nacional e a cultura organizacional não são as mesmas nem sequer a mesma coisa ou o mesmo fenómeno. Confundi-las é cair na "falácia ecológica" que mistura níveis de análise e da realidade que são diferentes. Então em que é que diferem e em que é que se relacionam? A Cultura Nacional A cultura, em sentido geral é sempre um fenómeno coletivo, não individual. Neste sentido, os indivíduos propriamente ditos, "não têm cultura", mas sim personalidade. Os indivíduos vivem numa dada cultura. Claro que a personalidade dos indivíduos desempenha um papel importante no seu comportamento e, ao nível individual, as características da cultura nacional tendem a ser menos aparente quando observamos um pequeno grupo de pessoas. Contudo, quanto maior o grupo se tornar, mais perceptível a cultura nacional também será porque tende a emergir a partir da interação dos indivíduos. Vejamos um exemplo. Se lidarmos com um único alemão o que notaremos serão as suas qualidades e características individuais. Se observarmos agora um pequeno grupo de pessoas alemãs (um grupo de amigos, por exemplo) que compartilham qualidades individuais semelhantes, ainda assim poderão diferir da maioria dos alemães. A Cultura Organizacional Este exemplo referido já descreve, de algum modo, uma das principais diferenças entre aquilo que se designa como cultura nacional e cultura organizacional. O pequeno grupo de alemães mencionado podem ser, por exemplo, os funcionários de uma pequena empresa alemã. Deste modo, e porque estas pessoas não representam a cultura alemã como um todo, seria um erro assumir que a cultura da sua empresa seria idêntica à cultura nacional alemã. Ainda assim, a empresa teria uma qualquer cultura de um qualquer tipo. A cultura organizacional é o resultado de múltiplos fatores, mas tende a ser mais simples e precisa de medir do que a cultura nacional. Isso acontece porque a maioria das organizações tem objetivos e requisitos claros. A maioria das atividades dentro de uma organização é pensada para atender a esses objetivos e a esses requisitos. Enquanto o tamanho da organização e as personalidades dos seus membros, especialmente os mais influentes, ainda desempenham um importante papel, a cultura organizacional é mais fácil de observar e definir do que a cultura nacional. Quando falamos de cultura organizacional - os grupos ou o nível coletivo na definição de Hofstede – estamos a referir-nos, geralmente, às organizações. Assim, falamos sobre como os membros de uma organização se relacionam entre si, se relacionam com o seu trabalho e com o mundo exterior, e estamos interessados em como tudo isso é diferente numa organização em comparação com outra organização. Como é que este grupo de pessoas se distingue de outro grupo de pessoas quando trabalham em conjunto? Enquanto as diferenças entre as culturas nacionais são mais evidentes nos valores, ou preferências coletivas às quais estão associadas emoções e sentimentos muito fortes, as diferenças entre as organizações dentro de um mesmo país podem ser mais claramente observadas nas práticas dessas organizações. É também por isso que a cultura organizacional, ao contrário da cultura nacional, pode ser até certo ponto gerida e mesmo alterada. Como? Alterando essas práticas. Na Hofstede-Insights caracterizamos a cultura atual, ajudamos a identificar a cultura desejada e analisando os desvios entre o que existe e o que se deseja, aconselhamos aquilo que pode e deve ser feito para chegar lá.

Pergunte-nos como . www.hofstede-insights.com




2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Krisis

Krisis significa originalmente decisão. É um termo grego importado da medicina significando o momento decisivo ou de viragem que possibilitava o diagnóstico. Nos tempos atuais, curiosamente, a noção d

Teorias da conspiração

O que motiva as pessoas a acreditar em  "teorias da conspiração"? 1) Gostamos de boas histórias; 2) Não gostamos de explicações simples para problemas complexos; 3) Necessitamos de compreender o mundo